segunda-feira, 21 de dezembro de 2015





1Leia o texto com atenção:
SINAIS DA TERRA

O aquecimento global pode parecer demasiado remoto para nos causar preocupação, ou até mesmo incerto – talvez apenas uma projeção feita pelas mesmas técnicas computacionais que muitas vezes não acertam nem a previsão do tempo da semana que vem. Num dia gelado de inverno, poderíamos achar que alguns graus a mais na temperatura não seria tão mau assim. E os alertas sobre as mudanças climáticas súbitas podem parecer uma tática radical dos ambientalistas para nos obrigar a abandonar nosso carro e o conforto do nosso estilo de vida.
Talvez essas idéias nos consolem. Contudo, a Terra de fato tem notícias perturbadoras para nos dar. Do Alasca aos picos elevados dos Andes, o mundo está se aquecendo – agora mesmo, e depressa. Em termos globais, a temperatura subiu 0,6° C no último século, mas os lugares mais frios e remotos se aqueceram mais. O gelo está derretendo; os rios, secando; e os litorais, sofrendo erosão, ameaçando a vida de muitas comunidades. A flora e a fauna também estão sob pressão. Não se trata de projeções, mas de fatos concretos. (...)
Há séculos derrubamos florestas e queimamos carvão, petróleo e gás, e despejamos na atmosfera dióxido de carbono (gás carbônico) e outros gases que aprisionam o calor mais rápido do que as plantas e os oceanos conseguem absorvê-lo.
(...) Na verdade, o que estamos fazendo é pôr mais cobertores em cima do nosso planeta.

(APPENSELLER, Tim. Sinais da Terra. National Geographic Brasil, setembro de 2004.)

2. Compreensão do texto: marque com um X a resposta correta.

a) O texto esclarece que a temperatura subiu 0,6° C:
(A) nos últimos meses.
(B) no presente milênio.
(C) no último século.
(D) na última década.

b) O resultado de estarmos “há séculos derrubando florestas e queimando carvão, petróleo e gás” é
(A) a absorção rápida do calor.
(B) o aquecimento do planeta.
(C) o congelamento das águas dos rios.
(D) a diminuição das águas dos oceanos.

c) A questão central tratada no texto é
A) os efeitos da erosão.
(B) as mudanças climáticas.
(C) a poluição dos oceanos.
(D) a derrubada das florestas.

d) A finalidade desse texto é
(A) pressionar os políticos.
(B) aterrorizar os jovens.
(C) conscientizar as pessoas.
(D) criticar os ambientalistas.

3. Classifique os sujeitos da frase em: simples, oculto (desinencial), composto, indeterminado:
a) Anoitecia silenciosamente. ________________________________________________________
b) O picolé estava gostoso. __________________________________________________________
c) Talvez essas ideias nos consolem.___________________________________________________
d) Estava frio à noite. _______________________________________________________________
e) A casa e a fazenda estão á venda. ____________________________________________________
f) A flora e a fauna estão sobre pressão.____________________________________________________

4. Identifique o sujeito e o predicado de cada frase:
a. O homem colou o cartaz.

b. Fomos ao clube hoje cedo.

c. O aluno precisa de incentivo.

d. Lucas desobedeceu ao pai .

e. Deram o boneco as crianças.

f. O pássaro não voou pela manhã.

g. Dormimos bastante no feriado.

h. Tenho um grande amigo.

i. O rei e a rainha foram o baile.

j. O aquecimento global não é remoto.

 
Ativ. com texto: verbo

A descoberta do mundo

O que eu quero contar é tão delicado é tão delicado quanto a própria vida. E eu queria poder usar delicadeza que também tenho em mim, ao lado da grossura de camponesa que é o que me salva.
Quando criança, e depois adolescente, fui precoce em muitas coisas. Em sentir um ambiente, por exemplo, em aprender a atmosfera íntima de uma pessoa. Por outro lado, longe de precoce , estava em incrível atraso em relação a outras coisas importantes. Continuo aliás atrasada em muitos terrenos. Nada posso fazer: parece que há em mim um lado infantil que não cresce jamais.
Até mais que treze anos, por exemplo, eu estava em atraso quanto ao que os americanos chamam de fatos da vida. Essa expressão se refere à relação profunda de amor entre um homem e uma mulher, da qual nascem os filhos. Ou será que eu adivinhava mas turvava minha possibilidade de lucidez para poder, sem me escandalizar comigo mesmo, continuar em inocência a me enfeitar para os meninos? Enfeitar-me aos onze anos de idade consistia em lavar o rosto tantas vezes até que a pele esticada brilhasse. Eu me sentia pronta, então. Seria minha ignorância um modo sonso e inconsciente de me manter ingênua para poder continuar, sem culpa, a pensar nos meninos? Acredito que sim. Porque eu sempre soube coisas que nem eu mesma sei que sei.
As minhas colegas de ginásio sabiam de tudo e inclusive contavam anedotas a respeito. Eu não entendia mas fingia compreender para que elas não me desprezassem e à minha ignorância.
Enquanto isso, sem saber da realidade, continuava por puro instinto a flertar com os meninos que me agradavam, a pensar neles. Meu instinto precedera a minha inteligência.
Até que um dia, já passados os treze anos, como se só então eu me sentisse madura para receber alguma realidade que me chocasse, contei a uma amiga íntima o meu segredo: que eu era ignorante e fingira de sabida. Ela mal acreditou, tão bem eu havia fingido. Mas terminou sentindo minha sinceridade e ela própria encarregou-se ali mesmo na esquina de me esclarecer o mistério da vida. Só que também ela era um amenina e não soube falar de um modo que não ferisse a minha sensibilidade de então. Fiquei paralisada olhando para ela, misturando perplexidade, terror, indignação, inocência mortalmente ferida. Mentalmente eu gaguejava: mas por quê? Mas por quê? O choque foi tão grande – e por uns meses traumatizante – que ali mesmo na esquina jurei alto que nunca iria me casar.
Embora meses depois esquecesse o juramento e continuasse com meus pequenos namoros.
Depois, com o decorrer de mais tempo, em vez de me sentir escandalizada pelo modo como uma mulher e um homem se unem, passei a achar esse modo de uma grande perfeição. E também de grande delicadeza. Já então eu me transformara numa mocinha alta, pensativa, rebelde, tudo misturado a bastante selvageria e muita timidez.
Antes de me reconciliar com o processo da vida, no entanto, sofri muito, o que poderia ter sido evitado se um adulto responsável se tivesse encarregado de me contar como era o amo. Esse adulto saberia como lidar com uma alma infantil sem martirizá-la com a surpresa, sem obrigá-la a ter toda sozinha que se refazer para de novo aceitar a vida e os seus mistérios.
Porque o mais surpreendente é que, mesmo depois de saber de tudo, o mistério continua intacto. Embora eu saiba que de uma planta brotar um flor, continuo surpreendida com os caminhos secretos da natureza. E se continuo até hoje com pudor não é porque ache vergonhoso, é pudor apenas feminino.
Pois juro que a vida é bonita.
( Clarice Lispector. A descoberta do mundo. Rio de Janeiro, Rocco. p. 113-115)

I- Compreensão e Interpretação de Texto

1.Como a narradora faz sua própria descrição?

2.Por que o título do texto é “A descoberta do mundo”? Explique?

3. De acordo com o contexto em que está inserido, a que a narradora-personagem se refere quando menciona “os fatos da vida”?

4. Leia as frases abaixo retiradas do texto “A descoberta do mundo”, observando as palavras em destaque, depois assinale a alternativa que contenha, respectivamente, os sinônimos.

I – Fui precoce em muitas coisas.
II – Meu instinto precedera a minha inteligência.
III – O mais surpreendente é que, mesmo depois de saber tudo, o mistério continuou intacto.
IV – Seria minha Ignorância em modo sonso de me manter ingênua?

a) atrasada/adiantou/insuportável/ dissimulado/compreensível.
b) adiantada/ surgiu depois/admirável/ fantástico/inteiro/atrevido.
c) prematura/surgiu antes/admirável/inteiro/dissimulado (x)
d) nenhuma das alternativas

5. Retire do texto duas locuções adverbiais, depois dê as circunstâncias que elas indicam.

6. Preencha o quadro com as informações pedidas sobre os verbos retirados do texto:

Verbo Infinitivo Conjugação Pessoa Número Tempo Modo
Quero
Estava
Chamam

7. Marque a alternativa em que todas as palavras estejam grafadas de acordo com as novas regras ortográficas.

a) guarda-chuva/ para-quedas/ manda-chuva/ couve-flor
b) guarda-chuva/ paraquedas/ mandachuva/ couve-flo (x)
c) anti-inflamatório/ microônibus/ mal-criado/ autorretrato.
d) anti-inflamatório/ micro-ônibus/ mal-criado / auto-retrato
e)Maria-mole/ arco-íris/ microônibus/ autorretrato]

8. Leia a frase a seguir, depois reescreva passando para o futuro do subjuntivo:
“ ... populações inteiras abandonaram suas aldeias e cidadezinhas...”

 
28 de agosto de 2010


SARA E RANULFO

Ela era miudinha, os cabelos bem apertados em duas tranças com laços de fita bem engomados.
A professora a colocou na primeira fileira do meio para que ela pudesse enxergar bem as lições no quadro.
Seu nome era Sara e era nova na escola, pois tinha vindo de uma cidade que ficava muito longe. No primeiro dia que respondeu à chamada com sua vozinha apagada e aos pulinhos __ Sara __ todo mundo riu do seu jeito acanhado. Além do mais ela tinha pintinhas na ponta do nariz e por isso Sara ficava sempre quietinha, e trazia seus cadernos bem limpinhos e arrumadinhos para que a professora não a chamasse na hora da leitura do dia.
Ele era o mais forte dos garotos da classe e, embora lhe faltassem na frente dois dentes que atrasavam em aparecer, se fazia de muito grande, não ligando que a camiseta ficasse sempre amassada e as pontas do tênis estouradas de tanto chutar bola.
Era tão levado que a professora o colocou na última cadeira da última fila para que não atrapalhasse quando ela escrevia as lições no quadro. De lá, pelo menos era mais difícil atirar bolinhas de papel em suas costas.
Seu nome era Ranulfo, e como se não bastasse, tinha os cabelos vermelhos e as mesmas pintinhas na ponta do nariz. Por isso, antes que alguém se atrevesse a rir dele, ia logo distribuindo umas caras de “quem é mais forte aqui sou eu, viu?” e incluía nisso até a pobre da professora.

VIEIRA, Regina. In: PERSHUN, Janice Janet. Linguagem vivenciada – 4 série. São Paulo: Ed. do Brasil, s. d., p. 36-37.

DANDO OPINIÃO
1. De quem você gostou mais: de Sara ou de Ranulfo? Por quê?
2. O nome “Ranulfo” é comum?
3. O que você acha desse nome?
4. Se você fizesse parte da turma em que Sara estudava, também riria dela no seu primeiro dia de aula? Por quê?

VENDO COMO O TEXTO FOI ESCRITO

1. Como é Sara fisicamente?
2. Como é o jeito de sara?
3. Como Sara se comporta?
4. Como Ranulfo fisicamente?
5. Como Ranulfo se comporta?

ESCREVENDO OUTRO TEXTO
Responda:

a) Como você se chama?
b) Quantos anos você tem?
c) Em que escola você estuda e em que série está?
d) Você é alto (a) ou baixinho (a)?
e) Qual é a cor da sua pele?
f) Qual é a cor de seus cabelos?
g) Seus cabelos são curtos ou compridos, lisos ou encaracolados?
h) Qual é a cor de seus olhos?
i) Você é quieto (a) ou agitado (a)?
j) Como você se comporta na sala de aula?
k) Como é seu relacionamento com seus colegas?
l) Quais são as coisas que você mais gosta de fazer?
m) Que outras coisas mais você acha interessante falar sobre você?


Aproveite as respostas que você deu e faça um texto. As respostas de a até c devem estar num parágrafo; as de d a h, em outro; as de i a k, em outro; em outro ainda as de l; e, por último, a resposta do item m deve ficar em mais um parágrafo.
Um detalhe importante: o fato de aproveitar suas respostas não quer dizer simplesmente coloca-las uma depois da outra, só tirando as perguntas. Elas apenas serão um apoio para você escrever seu texto.

E atenção: não se esqueça de colocar um título em seu texto

 atividade com texto - classes de palavras e análise sintática

O Homem e os animais

Nos últimos anos, a convicção de que a companhia dos animais é benéfica ao homem adquiriu um fundamento cientifico. Sua presença alivia a solidão e o abatimento de seus donos, serve-lhes de estímulo para cuidar de si próprios e para realizar todo tipo de atividade quotidiana útil. A companhia de um animal reduz a ansiedade e as tensões porque se converte no centro de atenções e traz um sentimento de segurança. Além disso, o animal pode contribuir para que o dono se mantenha em boa forma física ou que a melhore, ao dar-lhe motivação para fazer exercícios.
(E. Friedmann. Em O correio da Unesco. Rio de Janeiro, Funbdação Getúlio Vargas, abr. 1988)

1. Separe as orações do primeiro período do texto e classifique-as.

2 Dê a função sintática dos termos destacados em cada trecho:

a) "... a companhia dos animais é benéfica ao homem...

companhia

benéfica

ao homem

b)"Sua presença alivia a solidão e o abatimento de seus donos..."

sua

solidão

de seus donos

c)"... o animal pode contribuir para que o dono se mantenha em boa forma física ou que a melhore, ao dar-lhe motivação para fazer exercícios."

dono

a

lhe

3. Dê os verbos correspondentes aos seguintes substantivos.

convicção

exercício

companhia

Retire os advérbios de intensidade das frases, junto com a palavra a que eles se referem, classicando-a em verbo, adjetivo ou advérbio.
a) Ficamos profundamnete gratos pela ajuda.
b) Aquele professor explica muito bem.
c) Ela é menos bonita que a rimã.
d) Aquela senhora viaja bastante.
e) Celina está meio confusa com a situação.
f) Pedi que eles saíssem bem depressa.

2) Identifique a ideia que o advérbio em destaque acrescenta ao verbo:
a) Eles não foram ao circo.
b) O menino corre mais rápido que você.
c) Hoje fez muito frio!
d) Fiquei aqui te esperando.

3)Qual das frases abaixo contem advérbios com a idéia de dúvida?
a) Provavelmente ela irá chegar amanhã. ( )
b) Com certeza ela irá chegar amanhã. ( )

4) Quais das frases abaixo contem advérbios com a idéia de afirmação:
a) Certamente eles irão jogar mais animados. ( )
b) Hoje eu não tenho que ir pra aula. ( )

5. Nos períodos a seguir, as orações em negrito são todas subordinadas adverbiais. Classifique-as
de acordo com a ideia que transmitem:
Temporal – (ideia de tempo)
Final – (finalidade)
Comparativa – (comparação)
Causal – (causa)
Condicional (condição)
Conformativa ( um fato ocorre de acordo com outro)
Consecutiva (consequência)
Concessiva ( indica uma exceção)
Proporcional ( aumento ou diminuição compatível com outro aumento ou diminuição)
1.A reportagem saiu no jornal conforme determinou o redator.
2.Comprei o jornal para que Ana visse a foto.
3.Sabrina come como um passarinho.
4.Faça o trabalho como eu orientei.
5.A tristeza aumentava à medida que os dias passavam.
6.Bebo água porque tenho muita sede.
7. O velhinho teve uma fratura quando caiu.
8. Ele caiu porque escorregou no chão molhado.
9. Maria estava feliz, tanto que ria sem parar.
10. Você fala tanto que me deixa atordoado.
11. Fui ao jogo embora não goste de tênis.
12. Eu o agradeceria muito se o encontrasse.

Reescreva as frases, transformando as locuções adjetivas em adjetivos simples.

a) Fomos passear num dia de sol._________________________________________
b) Vimos a paisagem da lua nesse filme.________________________________
c) Todos gostam de uma palavra de carinho._____________________________
d) A higiene do corpo é importante para nossa saúde.________________________________________
e) A bandeira do Brasil é bonita.____________________________
f) Estudo no período da manhã______________________________
g) Fui ver uma peça de teatro._______________________________

2.Relacione os adjetivos abaixo com as locuções adjetivas correspondentes.

(a) pluvial (b) campestre (c) bovina
(d) cardíaco (e) fluvial (f) marítima

( ) Água de rio
( ) Flor do campo
( ) Músculo do coração
( ) Carne de boi
( ) Orla do mar
( ) Água de chuva

Substitua as palavras destacadas por adjetivos pátrios equivalentes.

a) Os jogadores do Brasil e da Noruega entraram em campo.
b) O governo do Egito permitiu a entrada de turistas.
c) O embaixador da Grécia visitou o presidente de Israel.
d) Esses cantores do Nordeste apresentaram-se na televisão.
e) Esses músicos da Alemanha foram muito aplaudidos.
f) O tema dos debates foi a economia dos Estados Unidos e a política da Europa.

Retire do trecho abaixo todos os pronomes e classifique-os.
“Como uma máquina que depende do desempenho de cada uma de suas engrenagens para funcionar bem, os esportes coletivos comprovam que a chave para o sucesso passa pelo exaustivo e muitas vezes anônimo trabalho solidário.”

3 comentários: